Quíron por Dimitri Camiloto



A propósito da conjunção entre a Lua e Quíron de hoje:

Quíron entrou em definitivamente em Peixes no dia 9 de fevereiro de 2011 e permanecerá no signo até o início de 2019. Lembrando que Netuno, um dos regentes de Peixes, está de volta ao signo, o que não acontecia desde 1862.
O mito
Quíron (ou Quirão) era um centauro, nascido de uma cópula em que Saturno estava metamorfoseado em cavalo para seduzir Filira. Abandonado, foi encontrado por Apolo, que foi seu pai adotivo e lhe ensinou todos os seus conhecimentos: artes, música, poesia, ética, filosofia, artes divinatórias e profecias, terapias curativas e ciências. Ao crescer, Quíron foi para as florestas e montanhas, aprendendo mais sobre botânica e caçando junto de Ártemis.
Ao contrário do resto dos centauros que, como os sátiros, eram famosos por serem grosseiros e delinquentes, bebiam demais e estavam sempre propensos à violência e arruaças, Quíron era inteligente, educado e bondoso. Dotado de muita sabedoria, inteligência e virtude, ele tinha o conhecimento de plantas medicinais e talento para a cirurgia, e assim tornou-se tutor, professor e curador, sobressaindo-se, obviamente, em relação a todos os outros centauros que existiam. Kheír em grego quer dizer “mão”, e seu nome traduz a grande habilidade nas mais variadas áreas, mas principalmente para cuidar de doentes e ensinar as pessoas.
Foi na escola de Quíron que Hércules aprendeu a medicina, a justiça e a música, assim como os mais importantes príncipes e heróis. Ao tocar acordes em sua lira, Quíron era capaz de curar moléstias. Utilizando a astrologia, ele antevia circunstâncias e alertava sobre a possibilidade de situações ruins ocorrerem, para que as pessoas pudessem evitá-las.
Em uma contenda entre Hércules e os centauros, estes últimos se refugiaram nas cercanias de onde Quíron morava, tentando aplacar a fúria do seu algoz com a presença de seu antigo mestre. De nada adiantou: aliás, uma flecha embebida com o sangue da Hidra de Lerna errou o alvo e atingiu justamente a coxa de Quíron. Desesperado, Hércules foi tentar salvá-lo com um remédio que havia aprendido com o próprio professor. A moléstia, porém, era incurável: Quíron era imortal (pois era filho de um titã) e seu sofrimento iria se estender pela eternidade.
Sentindo dores terríveis, ele suplica a Zeus que ponha fim à sua existência. Para que pudesse morrer, Quíron transfere sua imortalidade para Prometeu e, assim, permite indiretamente que a humanidade domine o fogo. Zeus, então, coloca o centauro no Céu para sempre, na constelação de Sagitário.

O fator Quíron

O mito de Quíron evoca muitas reflexões interessantes. Em primeiro lugar, existe a questão de ter sido abandonado, o que tanto pode se manifestar na vida de uma pessoa de forma concreta ou em termos de lacunas e carências emocionais. De antemão, esse é o primeiro desafio de Quíron, tanto no que tange curar a si mesmo como aos outros.
A adoção de Apolo, porém, chama atenção para algo muito importante, que é o fato de, na ausência dos pais, o universo sempre dar um jeito de trazer alguém mais afinado com a natureza daquele “órfão”, que na Iniciação tem relação direta com os encontros de mestres e aprendizes. Note que, ao longo de sua vida, Quíron foi tutor e professor de diversos heróis e figuras de destaque.
Outro ponto fundamental é o grupo a que Quíron pertence, pois ele é um centauro. Centauros são criaturas de má-fama, beberrões e barraqueiros. Quíron se mostra um centauro à parte: ele é sábio, centrado, dedicado a ir fundo nas mais variadas áreas do conhecimento e tem a sensibilidade lapidada pelas artes e pelo desejo de ajudar o próximo.
Vemos, portanto, que Quíron é a própria personificação da capacidade inerente a qualquer ser humano de superar um estigma, seja ele familiar, social, físico ou o que for. Não nascemos para repetir ou aceitar de bom grado uma marca, um rótulo, mas antes para nos modelarmos conforme nossas inclinações.
Por último, temas tão controversos como a própria validade de um certo tipo de imortalidade e a eutanásia, já que Quíron pede para morrer. O final de sua história relativiza a idéia de vida eterna, pois ele a perde para ganhar outro tipo de eternidade na constelação de Sagitário.
Já o anseio de um paciente terminal em pôr fim a uma existência de muito sofrimento e dor é algo que divide opiniões. Todavia, o mito de Quíron traz mais essa reflexão importante sobre a transformação e o renascimento, que deve ser transposta para nossas vidas de forma simbólica, assim como todos os outros “desafios” que apontei acima. E, claro, a identificação com sua missão maior, que era cuidar, ensinar e curar as pessoas.
Busque pelo signo e pela casa onde Quíron está no seu mapa e você certamente terá revelações importantes sobre estes desafios.

Quíron em Peixes:

Júpiter rege os signos de Sagitário e Peixes, e é a partir daí que podemos fazer uma ponte entre Quíron e Peixes. Em ambos os signos existe a propensão para buscar um sentido para vida que não encontramos na vida mundana, no senso comum e nas regras cotidianas. Sagitário, porém, é muito mais taxativo nesta busca da verdade, em função de valores e certezas, enquanto Peixes compreende tudo depender daquilo que sentimos e das mudanças nos próprios valores e certezas depois que realmente nos fundimos no todo. Isso fica claro quando percebemos que Sagitário é um signo do elemento Fogo, enquanto Peixes é Água.
Em função da imagem de “curador ferido”, Quíron estabelece de antemão uma forte analogia com Peixes, um signo que caracteriza estar com um pé em cada mundo, vivendo aqui e no além ao mesmo tempo. Fica claro que Quíron é mais sensível, refinado e sutil que os demais centauros, sua bondade e vocação para cuidar das pessoas podem ser pensadas como atributos piscianos.
Por outro lado, em Peixes há sempre o risco da loucura quando a aptidão para circular entre os mundos não é desenvolvida de maneira adequada, podendo descambar para a bebida e ou outras formas de desvario. Em Peixes certamente existe a dor das limitações que a existência mundana impõe à alma que deseja enfim se fundir finalmente com o todo, com o universo, destino final após a roda das encarnações.
As pessoas com Quíron em Peixes no mapa astral nasceram entre 1910-18 ou 1960-68. Quíron entrou em Peixes em 9 de fevereiro de 2011 e permanecerá no signo até o início de 2019. O tempo médio do trânsito é de oito anos, mas sua órbita é muito irregular e em algumas ocasiões ele leva menos da metade desse tempo para atravessar um signo. Se você nasceu no início ou no final dos trânsitos apontados acima, é importante checar no próprio mapa se realmente tem Quíron em Peixes ou nos signos vizinhos, Aquário e Áries. O retorno de Quíron ocorre por volta dos 50 anos de idade.
Quando Quíron está em Peixes, tanto para quem nasceu com a posição como em um trânsito, como agora, as pessoas enfrentam uma forte sensação de que a individualidade não dá conta do desejo natural de fusão com o todo, algo que se coloca como um imperativo e uma realidade. Em suma: a identidade não é capaz de preencher a ânsia por experiências emocionais intensas, a percepção e a sensitividade sempre em expansão impelem a pessoa para fora de si mesma e, por fim, a consciência de ser o próprio universo está o tempo todo escancarando a ilusão que é ser e sentir-se um indivíduo.
De fato, isso pode ser assustador e muito difícil de lidar, porque é justamente o contrário da “regra”, do que as pessoas costumaram nos dizer desde que viemos para esse mundo. A reação que cada um vai ter diante dessa constatação, ou melhor, dessa verdadeira pressão para mergulhar fora de si mesmo e encontrar-se no todo, vai depender da própria consciência espiritual e da qualidade do intercâmbio entre-mundos que cada pessoa traz dentro de si. Para uns, infelizmente, o caminho da fuga, da ilusão e do entorpecimento poderá criar o vínculo com entidades obsessivas e vampiras, para outros, porém, será justamente a libertação e a transcendência para uma existência muito mais feliz e plena, em sintonia recíproca com egrégoras de ascensão, revelação e cura. Como estamos em um trânsito de Quíron em Peixes até o final da década, este é o tipo de questão que se coloca para TODAS as pessoas, e não apenas aquelas nascidas com a posição que, todavia, experimentarão um momento crucial em suas vidas ao passarem pelo Retorno de Quíron.
Quíron em Peixes geralmente traz o dom de sentir a dor dos outros, e isso pode acontecer de várias formas. Essa empatia, algo especialmente pisciano, pode se manifestar através da aptidão que mestres e curadores têm em acessar e canalizar o sofrimento e a doença alheia, por meio de uma forte identificação com o que está fora deles (como apontado no parágrafo anterior) e que auxilia na captação e na canalização do problema, no diagnóstico, numa terapia compreensiva em relação ao próprio problema, sem demonizá-lo e no contato com forças transcendentes capazes de colaborar para a cura.
Por outro lado, essa sintonia com a dor alheia pode ser problemática sim, especialmente no que tange pessoas sensitivas com forte poder de captação e facilidade para entrar na dor e no problema do outro sem, contudo, criarem um filtro de luz que evite a contaminação ou a perturbação de si mesmo. Isso ocorre bastante com médiuns recalcitrantes ou educados de modo inadequado.
Essa sensitividade típica de Quíron em Peixes, tão aguçada, invariavelmente exige da pessoa momentos de maior recolhimento, em que ela precisa entrar em contato mais profundo com tudo aquilo que captou e entrou em contato, digerindo, assimilando e expelindo as energias, as vibrações e os conteúdos psíquicos, emocionais e espirituais com os quais se envolveu. É aqui que Quíron cuida mais atentamente de si mesmo, pois não basta tão-somente cuidar do outro: como vimos, este é um tema muito caro ao mito do centauro curador! A meditação, a yoga e todas as terapias de reequilíbrio interior são de enorme importância para as pessoas nascidas com Quíron em Peixes e, também, durante os seus trânsitos: ficamos mais sensíveis à agitação e confusão de estímulos vindos de fora, e precisamos de momentos de retiro para reencontrar o centro. 



Note que o glifo astrológico para Quíron é uma chave. Ora, uma chave abre o que está fechado ou trancado. Isso serve para os conteúdos traumáticos, conscientes ou não, e os corpos emocionais em desequilíbrio, que geralmente ficam guardados no lodo, deitados no nosso íntimo, mas sempre tendo reflexos diretos na forma como existimos e na qualidade de vida. Mas, sem dúvida, Quíron é também é uma chave que abre a sensitividade para a empatia com a dor e os problemas do outro, algo primordial para um verdadeiro curador. Quíron em Peixes representa a chave para uma mediunidade curadora e, por extensão, para o contato com outras dimensões e entidades capazes de ajudar na transcendência da dor e da realidade mundana.

Quíron em Peixes

 

Quíron aponta onde se escondem nossas feridas mais profundas, onde doamos o que não temos. Contribuímos com os outros, mas não conseguimos nos ajudar.
Em Peixes – problemas na gestação colocam obstáculos desnecessários e tendem a não receberem os créditos de coisas que fazem. A prática da espiritualidade e as ciências ocultas são seus caminhos de cura.
Desde fevereiro de 2011 e até março de 2019 Quíron estará em Peixes trazendo a vítima ou o salvador que existe em nós. Podemos querer fugir da realidade, a solução será usar a criatividade e a imaginação para gerar alegria para todos. Devemos cuidar com falsos líderes e mestres.
“Grande parte de vosso sofrimento é por vós próprios escolhido”. É a amarga porção com a qual o médico que vive dentro de nós cura o nosso Eu doente. Confiai, portanto, no médico e bebei seu remédio em silêncio e tranquilidade, pois sua mão, embora pesada e dura, é guiada pela suave mão do Invisível.
O Astrólogo (profissão regida por Quíron) português António Rosa diz: “Com a experiência, fui aprendendo que me era muito útil saber qual a doença, ou doenças, dos meus clientes, se possível nos primeiros 10 minutos da consulta, pois fico com uma visão metafísica muito completa da pessoa que está à minha frente e, assim, sou mais eficaz no meu trabalho e não o termino completamente esgotado.
Por exemplo, se me dizem que sofrem de Fibromialgia, sei quase que mecanicamente que tenho à minha frente alguém cuja maior tendência é ser a «vítima», culpando tudo e todos, das ocorrências da sua vida. São das consultas mais difíceis de se dar. Não caiam na asneira de sugerirem médicos e terapeutas, pois passarão a fazer parte imediata da lista dos seus «culpados», pois nada baterá certo e haverá sempre um dedo a apontar, com a vozinha mais meiga do mundo”.
Quíron em Peixes ou na casa 12 tem um forte sentido do transpessoal e de coletivo, uma forte identificação com o caos, com aquilo que se dissolve e um desejo secreto de regressar à unidade, ao uno e indivisível.
Outro vínculo a este signo e casa é a possibilidade da pessoa sentir o isolamento, as tribulações e as incapacidades que a deixa impotente perante a vida e ao mundo, se tornando fonte de problemas que determinam dificuldade em se encontrar e definir a individualidade, dar uma direção pessoal para a vida. Aí surgem os inimigos ocultos, vítima de enganos, desilusões, sacrifícios e, eventualmente, tentar escapar destas situações através do uso de drogas. Se bem orientada pode se dedicar à meditação e a processos de relaxamento, onde, com relativa facilidade atinge o êxtase.
Este posicionamento pode gerar estranhos sentimentos de culpa como se fossem os responsáveis por tudo que acontece. Raramente sabem a causa desta sensação que os acompanha pela vida. Devido à sensação de serem vítimas permanentes, somatizam essas questões, atraindo para si doenças graves.
Quíron em Peixes ou na casa doze reflete uma grande sensibilidade para com o sofrimento, atenção para com os problemas coletivos pouco divulgados ou ocultos. Esta posição pode gerar terapeutas, curadores e reformadores que procuram no inconsciente coletivo as forças e as soluções para ultrapassarem os problemas crônicos da humanidade. Muitos deles trabalham longe da atenção pública.
Com este posicionamento a pessoa pode assumir uma personalidade desapegada e totalmente despojada perante a vida, mas de forma consciente e criativa, procurando ultrapassar as limitações e transmutar os seus próprios sofrimentos, complexos cristalizados através da auto renúncia doadora e da prática da espiritualidade, regenerar a si e aos outros.
As terapias que podem ter bons resultados para estas pessoas são os cristais, cura quântica, limpezas da aura e energéticas.

Netuno e Quíron em Peixes: A Chave para a Cura Planetária



O Magnífico encontro do Mestre Curador QUÍRON
com o
Místico do Zodíaco NETUNO!


Quíron ingressou em Peixes em Fevereiro de 2011 e transitará até Fevereiro de 2019.
Netuno ingressou definitivamente em Peixes em Março de 2012 e ali ficará até 2026.
A conjunção de Netuno e Quíron em Peixes confere um elevado potencial de cura e de transformação espiritual a toda a humanidade. Será um ciclo de nove anos (uma gestação) em que o ímpeto de se religar com o Cosmo ou com a nossa essência divina vai exigir grandes sacrifícios, pois seremos impelidos a mergulhar no oceano pisciano - o inconsciente - e despertar para nossa “eterna imortalidade” com uma consciência maior.
Quíron, o curador ferido, é o Mestre ensinador que mostra nossas feridas mais profundas e também nosso dom de curá-las, revela a forma como ferimos os outros e como somos feridos. Sua conjunção com Netuno é a oportunidade de interiorizarmos nosso Mestre Interior e manifestá-lo ao mundo, pois Quíron tem o dom de se compadecer com o sofrimento coletivo, experiência que sempre nos lembra a nossa condição humana, mas que, ao mesmo tempo, não nos deixa esquecer nosso potencial divino ou sobre-humano; é nesse potencial que encontramos a possibilidade de nos transformarmos em verdadeiros curadores da alma humana.
Quíron em Peixes costuma personificar o arquétipo da “vítima do mundo”, que cria no indivíduo sentimentos exacerbados de culpa, vitimização, escapismo ou isolamento; ou do “salvador do mundo”, trazendo a sensação de desligamento do mundo cotidiano ou o desejo de abandonar o mundo para cuidar da salvação espiritual.
Netuno confere um contato mais profundo com a dimensão astral e seus misteriosos mecanismos; é a espiritualidade e a sublimação dos dons e potenciais da alma, habilidades mediúnicas e paranormais ou sobrenaturais. Rege o reino das forças invisíveis ou da Fé naquilo que não se pode ver nem tocar, mas que é profundamente sentido na “pele”; essas forças invisíveis guardam um enorme poder sobre as emoções, os sentimentos e a sensibilidade humana.
Netuno tem o dom de dissolver tudo o que toca e, em Peixes, pode abrir as fronteiras do imaginário, da inspiração, dos sonhos e de todos os sentidos humanos ou dos estados alterados da consciência, pois a experiência pisciana pode transbordar os sentidos humanos provocando verdadeiras experiências transcendentais ou PES (percepção-extra-sensorial).
Este pode ser um período de uma intensa busca por unificação e identidade espiritual e por um contato com o nosso Mestre Interior, que vai provocar o contato com as feridas mais profundas, conteúdos adormecidos no inconsciente. Mas as necessidades do mundo material que impõe um sistema de sobrevivência que implica valores, crenças, ideais e segurança podem ser fortemente abaladas por este contato e provocar muitos conflitos internos.
Do outro lado desse eixo está o signo de Virgem ou Casa VI, do qual Quíron é co-regente. Virgem lida com a saúde, higiene, medicina, nutrição, terapias e todas as habilidades que exigem minúcias; o trabalho ou serviço que prestamos aos outros como um ofício (sacrifício ou sacro-ofício), é o servir ou ser útil de alguma forma à humanidade. A 6ª Casa também é considerada a casa do xamanismo. O xamã em seu voo extático, em transe, procura e guia as almas perdidas e doentes, facilitando sua entrada nos planos ou na passagem deste mundo para outros mundos. Na tradição xamânica, o animal mítico que guia o xamã em sua trajetória entre os mundos é o Cavalo.
Trata-se de um animal funerário e psicopompo, um guia ou condutor que mostra o caminho, representa uma ponte entre o mundo da forma e o mundo do invisível. Esta figura mítica tem forte relação com a figura personificada por Quíron, o Centauro.

A Dor que ensina

É inevitável que a evolução humana se dê pelo amor e compaixão ou pela dor e sofrimento. Também sabemos que todo processo de cura profunda, verdadeira e definitiva é precedida por uma tremenda crise, uma catarse que provoca o expurgo de todo o conteúdo que contém em si o potencial da dor e do sofrimento humano, seja esta no corpo, na mente ou na alma.
Neste ponto de intensa aflição, a emoção e a razão já não servem mais como ferramentas para aliviar o sofrimento humano, pois a raízes da ferida parecem estar em outros níveis ou esferas. Muitas vezes, quando a dor não é conscientizada e atinge grande intensidade, o indivíduo é levado a buscar alívio através do entorpecimento dos sentidos. Uma fuga da realidade que, consequentemente, provoca o contato com níveis energéticos mais baixos ou do submundo.
Acredito que grande parte das doenças psicossomáticas de nosso tempo estão ligadas ao fato de que ignoramos a existência de um mundo mais expandido e que possui forças poderosas que atuam e influenciam, direta e constantemente, nossas vidas e nossa realidade.
Quíron em Peixes mostra as mazelas ou miséria humana, e com este aspecto podemos ver o aumento exacerbado de todas as vicissitudes humanas, como o consumo e abuso da bebida, das drogas e do sexo; práticas criminosas e ilegais, o auto exílio social e o surgimento de muitas doenças mentais e psicossomáticas.
Mas esse aumento não será apenas na quantidade, será também na qualidade, pois Quíron e Netuno podem “potencializar seus efeitos”.
Isso ocorre porque todos nós estaremos hipersensíveis a qualquer contato netuniano ou com a dimensão astral. Assim o consumo de bebida alcoólica, de drogas, inclusive as medicamentosas, pode potencializar seus efeitos de forma surpreendente.
A dor não conscientizada pode gerar também sentimentos de culpa no indivíduo ou sacrifícios exagerados em ajudar os outros, este comportamento pode indicar uma tendência a evitar um contato consigo mesmo, com suas feridas, mágoas e perdas emocionais não resolvidas.
Pode haver também a projeção desses sentimentos no outro, levando o indivíduo a relacionamentos confusos, amores platônicos ou paixões irreais e inacessíveis e de dependência patológica, apego excessivo ou sentimento de abandono.
Sentimentos de culpa, via de regra, implicam um “castigo”; seja este consciente ou inconsciente, sempre irá atrair (por afinidade) situações dolorosas como acidentes, doenças ou perdas. Por isso é importante que o indivíduo transforme culpa em responsabilidade; o senso de responsabilidade com sua vida, com os outros, com o planeta, etc; pois toda forma de vida está interligada no mesmo sistema, e Quíron ensina que ao curar o outro, estaremos curando a nós mesmos, esta é a chave para a cura planetária.
É compreensivo que, depois de dois mil anos tendo a figura de Cristo como mártir salvador, a humanidade busque a salvação na dor, no castigo e no sofrimento, mas Quíron em Peixes vai exigir que busquemos o Mestre dentro de nós mesmo e não mais fora, na figura do mártir.
Muitos líderes religiosos podem surgir neste período se auto proclamando salvadores, mas podem esconder atrás de sua grandeza espiritual um grande complexo de superioridade e orgulho.
É necessário refletir sobre “do que” ou “de quem” desejamos ser salvos?!
Pois o delírio humano na busca de salvação já causou e ainda causa grandes tragédias, sejam estas coletivas, como as guerras santas ou individuais, como os abusos de toda espécie cometidas pelo “clero” contra seus discípulos.
Netuno e Quíron em Peixes mostram que a salvação está dentro de nós, e aqueles que pela Fé ferem e humilham por esta serão feridos em sua pseudo-auto-grandeza-espiritual.
Quíron funciona como Marte em potência, pode se tornar um Guerreiro e enfrentar qualquer desafio com tremenda coragem. Mas a energia Quirótica mal resolvida, negada ou reprimida pode se transformar em um verdadeiro tirano agressivo e de ações criminosas e violentas.

A Arte de Curar

Quíron foi o Mestre Ensinador de muitos heróis míticos, entre eles, Jasão e os Argonautas. Entre as várias artes que dominava era também o Mestre das Artes Adivinhadoras e Astrólogo. Quíron aceitou sua dor - o abandono e rejeição de seus pais - e transformou seu sofrimento em arte; passou toda sua vida a ensinar e curar. Este pequeno asteroide que transita entre as órbitas de Saturno e Urano, é considerado a ponte que liga a matéria/corpo (Saturno) ao céu/espírito (Urano).
A genialidade de Urano precisa da materialidade de Saturno para dar forma e manifestar suas criações, assim como Saturno precisa da energia elétrica de Urano para preencher e dar vida à sua forma!
A localização e trânsito de Quíron no Mapa indicam quando e como o indivíduo é desafiado a superar a adversidade e a mediocridade, obriga o indivíduo a ser ele mesmo e a superar seu sofrimento, aí está a sua arte!
Netuno e Quíron conferem a sublimação dos dons e talentos da alma, potencializa a inspiração, a imaginação, a sensibilidade e a criatividade.
Será um período de criatividade exacerbada, em que o indivíduo será levado a manifestar na matéria as mais belas criações que a alma humana pode conceber, principalmente na música, na pintura, na literatura, na escultura, no cinema, na televisão, fotografia e em todas as artes visionárias.
Podem surgir grande terapeutas, médicos, psicólogos e, na medicina, pode haver uma nova abordagem na forma de tratamento dos males que afligem a alma e também novas descobertas na cura para os males físicos e mentais. Os movimentos em defesa da vida e do planeta terão mais força e destaque diante de possíveis catástrofes ecológicas.
Também surgirão líderes espirituais que estarão conectados com as necessidades de sua comunidade trazendo uma nova realidade e a renovação da Fé. Neste período pode-se obter uma orientação ou uma dádiva mágica que redirecione o indivíduo para seu verdadeiro caminho.
Quíron esteve em Peixes na década de 60 (1960 -1969). Esta foi a geração chamada de “flower children” - os filhos da flor, e esses indivíduos agora estão na faixa etária dos 46 a 52 anos. Eles estarão vivenciando seu primeiro e único retorno de Quíron em Peixes. Este será um trânsito tremendamente espiritual, em que teremos a chave que abre as portas para nossa verdadeira essência.
A década de 60 foi marcada por diversas manifestações culturais e artísticas e movimentos pela paz, amor e liberdade; houve vários avanços tecnológicos e o surgimento das drogas psicodélicas; mas também houve o colapso da sociedade com o início de guerras e uma onda de opressão por governos militaristas.

Veja abaixo alguns fatos que marcaram essa década.


  • Abril de 1960 É lançado o primeiro satélite meteorológico e o primeiro Computador eletrônico,   o RAMAC 305, pela empresa IBM.
  • Abril de 1961 Yuri Gagarin é o primeiro homem a entrar no espaço.
  • Agosto de 1961 é construído o Muro de Berlim.
  • Maio de 1963 - TV Tupi faz a primeira transmissão em cores da televisão brasileira.
  • Novembro de 1963 O presidente J. F. Kennedy é assassinado.
  • Março de 1964 Golpe militar no Brasil, tira do poder o presidente João Goulart. 
  • 1965 É transmitido pela televisão o I Festival de MPB.
  • Fevereiro de 1965 Início da Guerra do Vietnã.
  • Em 1966 - Tem início a Revolução Cultural na China.
  • Janeiro de 1967 - O ano da flor; os hippies convocam aReunião de Tribos.
  • Junho de 1967 - Guerra dos Seis Dias. Israel ataca Síria, Egito e Jordânia.
  • Dezembro de 1967 - É criada a FUNAI (Fundação Nacional do Índio).
  • Outubro de 1967 - Che Guevara é executado na Bolívia.
  • 1968 - O movimento hippie ganha força e aumentam os protestos nos Estados Unidos e no mundo contra a Guerra do Vietnã.
  • 1968 - É assassinado Martin Luther King. 
  • 1968 - É lançado no cinema: 2001, Uma Odisséia no Espaço, de Stanley Kubrick. 
  • 1968 - Inauguração do MASP, Museu de Arte de São Paulo. 
  • Abril de 1969 - Criação da Arpa Net, o embrião da Internet
  • Julho de 1969 - Neil Armstrong é o primeiro homem a pisar na Lua com a Apollo11.
  • Em 1969 É realizado o Festival de Woodstock, símbolo da união do Rock, Paz, Amor.
  • Em 1969 - John Lennon e Yoko Ono realizaram o primeiroBed-in for Peace, em favor da paz, realizados em uma cama de hotel.
  • Outubro de 1969 É enviada a mensagem de e-mail entre computadores distantes.
  • 1970 O Brasil ganha a Copa do Mundo realizada no Brasil em plena repressão militar.


A conjunção de Netuno e Quíron em Peixes é para toda a humanidade uma grande oportunidade de crescimento e de expansão da consciência, de equilibrar nosso lado divino e espiritual com nossa parte animal/mortal, pois somos ambos, somos seres humanos.
Muitos estarão elevando sua vibração para a parte mais sutil humana, que lida com as necessidades da alma, e muitos outros estarão vibrando em sua parte mais grosseira, que lida com as necessidades do corpo. De qualquer forma o crescimento é inevitável, cada um em sua escala própria de evolução.
Nosso planeta, enquanto ser vivo, também está passando pelo mesmo crescimento e se sutilizando da mesma forma. Estaremos em contato mais direto com a matéria astral, quanto mais consciência dela tivermos, menos seremos afetados e atingidos de forma negativa por ela, pois o astral contém em si tudo o que a mente subconsciente produz.




Seguidores